PREFÁCIO

Quando me separei, em 2005, minha filha tinha apenas um ano e meio. As primeiras postagens falam mais do processo de reconstruir a vida, tanto a vida pessoal quanto a vida de aprendiz de pai sem a presença da mãe. Agora, compartilho algumas descobertas, incertezas, dúvidas e aventuras que aparecem pelo caminho de nós dois. E a cada dia vejo que sou muito sortudo de ter a companhia que tenho.

Bem vindos ao manual do pai solteiro !

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

DE UM PAI SOLTEIRO PRA OUTRO: LUIS SANDER


Autocaricatura: Luis Sander. Cor e cenário: Ava Melillo
Meu caro amigo Luís,
eu, com minha ingenuidade dos 17 anos, te dei a maior força quando você quis engravidar sua namorada para poderem morar juntos, também aos 17. Depois que o Lucas nasceu a gente viu que as coisas não seriam como aquela balada do Culture Club, Love is love. Mas até que não foi tão difícil assim, né? Você e a Lu ralaram, mas criaram dois lindos e talentosos rapazes. Você foi o primeiro cara da minha idade que eu convivi e que era pai. Isso me fez te admirar mais que antes. Eu nunca vou me esquecer do dia em que nós três, deitados comendo pipoca e vendo Fantástico, naquele apartamento do centro que tinha uma bela vista do viaduto Santa Tereza, nos desesperamos com o rompimento da bolsa da Lu e disparamos pra maternidade como se o Terminator estivesse atrás de nós. Marinheiros de primeira viagem. Muitas emoções.
Me inspiro em algumas de suas brincadeiras com o Lucas pra animar a minha pequena. E em como você usava de todos os seus talentos para fazê-lo rir e te admirar. Antes de todo esse papo de guarda compartilhada, você, depois que virou pai solteiro, tinha uma relação intensa com seus filhos, sempre deu tudo pra eles, do brinquedo mais bacana à palavra mais oportuna. Educação. Bom humor. E música. Muita música.
Se você tá fazendo falta pra nós, amigo, imagine pra eles. Mas fica tranqüilo porque o que você daria seria mais do mesmo que sempre deu. Eles já tem tudo de ti. Cara, inteligência e talento. Você fez um trabalho muito melhor do que a maioria absoluta dos pais. E continuará fazendo por conta do que você deixou na memória dos meninos, que tomara, seja tão boa quanto a sua. De elefante.
Rapaz, quando Ava nasceu você foi a primeira pessoa que eu lembrei, porque depois do nascimento do Lucas eu nunca mais tinha dormido em uma maternidade. Quero ser um pai bacana como você sempre foi. E um ótimo ex-marido também. Tarefa que às vezes é difícil, mas é essencial.
Abraço, queridão, o The Police não vai voltar a tocar junto mais.

MINÚCIAS E MIÇANGAS





















É batata. Faça uma pequena busca nos arredores de sua cama ou do sofá onde você e a moça que acabou de sair da sua casa passaram bons momentos juntos e irá encontrar, no mínimo, um anel. Pulseiras, brincos, passadores são constantes também. Junte-se a isso outras coisas (como preservativos) que podem ter caído debaixo da cama. Nada demais se você morasse sozinho. Mas crianças conseguem achar coisas com a mesma facilidade que conseguem perdê-las. Há brincos que parecem balas (olha você correndo pro pronto-socorro) e todo mundo sabe que camisinhas parecem balões (bleargh). É só passar um pente fino nos arredores, trocar sempre a roupa de cama, checar o banheiro, a cesta de lixo, o tapete, debaixo das almofadas do sofá, embaixo da cama.


Quando estou sozinho em casa fico feliz de poder bagunçar o que eu quiser e ninguém se incomodar ou me encher o saco. Viva a solteirice. Adoro chegar em casa e deixar minha roupa no chão da sala, como se eu tivesse me desintegrado. E lá está tudo no lugarzinho que deixei quando acordo. Mas quando a petita está comigo a coisa é diferente. Daí eu viro um freak, catando tudo o que eu julgo perigoso ou indevido para ela.

Atenção redobrada quando alguém for te visitar. Amigos esquecem um uísque pela metade na mesinha de canto e seu filho pode achar que é chá. Um eletricista por exemplo, deixou um canivete em cima da pia do meu banheiro. Foi por pouco que minha filha não o achou antes de mim. Outro dia a empregada esqueceu um daqueles produtos químicos altamente tóxicos no chão da área, e ele ainda por cima era cor de rosa, a cor predileta da minha filha. A gente tem que ter muita atenção e um pouco de sorte para evitar todos os acidentes possíveis. Pense naquelas plaquinhas que ficam em algumas praias: “Deixe apenas saudades e leve apenas lembranças”.

Agora você não tem outra pessoa para dividir esses cuidados.

PAI SOLTEIRO




















Nada que remeta por analogia àquele quadro triste da mulher abandonada de barrigão ou perdendo a juventude para cuidar sozinha de sua prole. Pra nossa sorte, mulheres quase nunca abandonam seus filhos. Entenda-se “Pai Solteiro” simplesmente ser pai e solteiro. Nada de divorciado e separado. Essas palavras contém muita história. E implicam logo de cara na existência de um outro, de uma outra vida. Solteiro não. É leve como uma pluma. Ser pai solteiro é ser um pai responsável, carinhoso e autônomo e continuar curtindo a vida de solteiro, além de trabalhar, cuidar da casa, orientar a empregada, fazer compras, etc. sem se esquecer que você tem na mãe da criança uma parceira nessa linda e às vezes cansativa tarefa. O que eu percebi nesses quatro anos de pós-separação é que basta saber dividir seu tempo e dar amor a sua criança. Amor é o que elas mais precisam, e esse amor vem em várias formas: atenção, interesse, carinho, disponibilidade, paciência, limite, cuidado. Mas para que a gente esteja em condições de dar conta disso tudo a gente precisa estar bem. Do que adianta encarar essa maratona de afazeres deixando de lado as coisas que a gente gosta? Pois é. Quanto mais felizes com a nossa vida, mais iremos transmitir essa felicidade aos nossos filhos. Ou seja, tomar conta da gente e nos dar atenção também é uma forma de amar nosso filho. Boa desculpa, né? E é a mais pura verdade. Mas atenção. Não devemos ser pais-solteiros, assim com hífen, o que implica nas duas coisas acontecendo juntas. Hora de ser pai, ser pai, hora de ser solteiro, daí é bagunça, festa, paquera, adolescência tardia e por aí vai. Lembre-se "Mulheres nascem adultas, homens morrem crianças".

Fim de casamento é uma das coisas mais sofridas que já vivi. O fato de um não estar feliz faz o outro sofrer muito, mas quando um começa a buscar essa felicidade sozinho ou com pessoas fora do relacionamento, aí é de matar. Independente de qual lado você está, são poucas as pessoas que saem bem de um casamento. Nesse momento não seja exigente contigo. Faça o que der conta, vá com calma, a nuvenzinha negra vai passar. Teoricamente ninguém quer terminar. Se pudéssemos seríamos tão longevos no casamento quanto nossos avós. Mas como todo mundo sabe, ou acaba o tesão, ou o respeito, ou as duas coisas. E não dá pra viver junto muito tempo sem eles. É isso aí. E é pra frente que se anda.

Aqui falo de várias coisas, desde a mudança para um novo lar até dicas culinárias, coisinhas simples é claro, caso você não tenha a menor intimidade com o fogão. Um macarrão com frango desfiado e creme de leite que é adorado por qualquer criança ou até um prato para surpreender a nova namorada: comidinhas para depois de uma comidinha. Tem também dicas de moda, de comportamento, de paquera, de brincadeiras com seus filhos, ou seja, tudo o que você queria saber sobre o melhor dos dois mundos.