PREFÁCIO

Quando me separei, em 2005, minha filha tinha apenas um ano e meio. As primeiras postagens falam mais do processo de reconstruir a vida, tanto a vida pessoal quanto a vida de aprendiz de pai sem a presença da mãe. Agora, compartilho algumas descobertas, incertezas, dúvidas e aventuras que aparecem pelo caminho de nós dois. E a cada dia vejo que sou muito sortudo de ter a companhia que tenho.

Bem vindos ao manual do pai solteiro !

terça-feira, 16 de dezembro de 2014

DE UM PAI SOLTEIRO PRA OUTRO: LUIS SANDER


Autocaricatura: Luis Sander. Cor e cenário: Ava Melillo
Meu caro amigo Luís,
eu, com minha ingenuidade dos 17 anos, te dei a maior força quando você quis engravidar sua namorada para poderem morar juntos, também aos 17. Depois que o Lucas nasceu a gente viu que as coisas não seriam como aquela balada do Culture Club, Love is love. Mas até que não foi tão difícil assim, né? Você e a Lu ralaram, mas criaram dois lindos e talentosos rapazes. Você foi o primeiro cara da minha idade que eu convivi e que era pai. Isso me fez te admirar mais que antes. Eu nunca vou me esquecer do dia em que nós três, deitados comendo pipoca e vendo Fantástico, naquele apartamento do centro que tinha uma bela vista do viaduto Santa Tereza, nos desesperamos com o rompimento da bolsa da Lu e disparamos pra maternidade como se o Terminator estivesse atrás de nós. Marinheiros de primeira viagem. Muitas emoções.
Me inspiro em algumas de suas brincadeiras com o Lucas pra animar a minha pequena. E em como você usava de todos os seus talentos para fazê-lo rir e te admirar. Antes de todo esse papo de guarda compartilhada, você, depois que virou pai solteiro, tinha uma relação intensa com seus filhos, sempre deu tudo pra eles, do brinquedo mais bacana à palavra mais oportuna. Educação. Bom humor. E música. Muita música.
Se você tá fazendo falta pra nós, amigo, imagine pra eles. Mas fica tranqüilo porque o que você daria seria mais do mesmo que sempre deu. Eles já tem tudo de ti. Cara, inteligência e talento. Você fez um trabalho muito melhor do que a maioria absoluta dos pais. E continuará fazendo por conta do que você deixou na memória dos meninos, que tomara, seja tão boa quanto a sua. De elefante.
Rapaz, quando Ava nasceu você foi a primeira pessoa que eu lembrei, porque depois do nascimento do Lucas eu nunca mais tinha dormido em uma maternidade. Quero ser um pai bacana como você sempre foi. E um ótimo ex-marido também. Tarefa que às vezes é difícil, mas é essencial.
Abraço, queridão, o The Police não vai voltar a tocar junto mais.

14 comentários:

Nina disse...

Chorei lendo isso, Aggeo.

Pena que há tantas coisas belas que também são tristes...

Bj

Mariana disse...

Lindo, lindo e LINDO.
Emocionante.
Tocante e delicado.

Luisa Dias disse...

Aggeo, mesmo sem conhecer a história toda, me emocinei muito. Porque amigos fazem isso por nós, nos inspiram, nos tornam pessoas melhores... A cena do nascimento do Lucas, descrita acima, dá roteiro de filme.

Pra Hoje! disse...

Esses dias fiquei pensando que a um tempo atrás, só as mães podiam demostrar seu amor de forma ativa como um beijo, um abraço em seus filhos, isso não era apropriada aos pais que só podiam ser machos bancários, pois cabia a ele garantir o sustentento da família, hoje que o homem tem o direito e deve excê-lo para o bem estar de seu filho, acho muito bom mesmo, acho incrível quando um pai resolve assumir seu papel de forma tão intensa como você faz, parabéns e continue sendo assim como você digita e parece ser!

danny falabella disse...

Lindo! Sander realmente era, além de tudo, um paizão! Ele me deu altas dicas pois separei na mesma época que ele (da segunda esposa), tenho uma menina de 5 anos e estavamos dividindo experiências mas infelizmente ele se foi precocemente. Bacana o Blog. Valeu pela homenagem. Sei que vcs eram mais que amigos, mais que irmãos.

Zé Caetano disse...

Aggeo,
meus filhos ja são bem grandinhos e bem em breve -antes do fim do ano, vou ser avô. Mas sempre tenho saudades do tempo que eles eram pequenos, que a gente tomava banho juntos- eu dei o 1º banho de chuveiro nos 3,aqueles bichinhos lisinhos com o sabonete, meio assustados com a novidade da agua caindo em seus corpinhos. Cresceram, cheio de idéias e ideais e vão indo pela vida.
Nós, pais separados, sentimos a vida cada segundo diferente, um pouco pela distancia e muito pela cumplicidade.
E a vida é sempre um mistério. Que as vezes nos pega de surpresa, como esta ida repentina de um amigo querido e amado por tanta gente.
Obrigado pela homenagem ao Sander, doido de pau e pedra.

Erika Pimenta disse...

E o tempo que sempre passa,mas nem tudo que passa a gente esquece.A sua linda história me faz pensar que daqui a pouco estarei vendo os filhos de meus amigos com os meus 22 anos de agora.Imagina, será jajá...

Danny Almeida disse...

1º vez que passo por aqui!
E estou completamente emocionada com o que li!
De uma maneira tão delicada.. suave, que fiquei encantada por ti!

Aqui tb será um canto, aonde com certeza, passarei pra algumas visitas...

bjs no core
Danny Almeida

Mãe canguru disse...

Adorei seu blog! simplismente SENSACIONAL! Me emocionei muto com este post!
Parabéns! bjkas

Qkinha disse...

tocante

Aggeo Simões disse...

Obrigado a todos pelas lindas palavras. Esse foi o post mais difícil de escrever de todos até agora. Bem vindos os novos frequentadores e obrigado pelo carinho,

Déa Prado disse...

Lindo...

karlavig disse...

Puxa,Luis nos deixou táo precocemente... Colega querido do Imaculada. Fiquei chocada com a noticia! Lindo o texto, Ageeo... bjos

Anônimo disse...

Meu comentário surge depois de certo tempo, mas sou tocada provavelmente pela mesma emoção que afetou os amigos que o acompanham: a saudade do Luis. Continuo amando o Sander. Um amor bonito, complexo e que acabou sendo só nosso. Um raio de sol, sem dúvida, na minha vida...

Obrigada por fazer tão bem à minha saudade.

Abração,
Ana Carolina
(anacarolit@yahoo.it)