ABERTO PRA BALANÇO


Relendo o blog inteiro essa noite eu me lembrei que comecei a escrever o manual por conta da quantidade enorme de pais que mal vêem os filhos. Não para me gabar de ser diferente, mas para mostrar aos medrosos papais que não existe nada demais em criar seus filhos. Como tudo, exige vontade, algum sacrifício, mas depois de algum tempo começa a ficar bem mais tranqüilo. Eu mesmo tive muito medo no começo. Mas quando a gente descobre que até isso se aprende, que não precisamos necessariamente abdicar de nada em nossas vidas, talvez apenas mudar as coisas de lugar, e passamos a conviver com esses seres lindos que são parte de nós, descobrimos que é realmente o melhor dos dois mundos.

Quando eu e a mãe de minha filha optamos pela guarda compartilhada a idéia nos pareceu boa por vários motivos. Ava teria convivência e o carinho constante de ambos e tanto a mãe quanto eu teríamos nosso tempo com ela e tempo para nos dedicarmos às nossas coisas, trabalho incluso. Mas agora vejo que as vantagens são muito maiores do que isso.

Tanto eu quanto a mãe temos uma cumplicidade enorme com ela, ao ponto dela nos contar suas aventuras, desassossegos e dúvidas, sem distinção; não temos ciúmes da convivência dela com o namorado do outro porque firmamos nossa presença e nosso papel é bem claro na cabecinha dela; exercitamos nossa comunicação nesses quatro anos (Ava acabou de fazer 6) e agora esse know how faz com que não tenhamos mais ruídos; Ava continua sendo uma menina feliz e saudável e não demonstra qualquer dificuldade em assimilar nossa realidade; na prática deu certo até agora termos duas realidades: a de pais e a de solteiros; dividimos as despesas igualmente mas no caso de um estar em maior vantagem financeira que o outro este assume as despesas por um tempo.

Não quero fazer parecer que nossa relação seja perfeita. Existem estresses de várias naturezas e intensidades. Mas são passageiros. Quando se está junto acho que mágoas sobrevivem até mais do que quando estamos separados. E para o bem dos pequenos devemos engolir sapos e implodir barracos.

Me considero um homem bem mais compreensivo com as mulheres depois que virei pai de uma. Mas tento a todo custo fazer com que minha filha fale em vez de gritar e que me retorne a compreensão com palavras em vez de choro. Uma mulher emocionalmente estável seria a perfeição.

Comentários

Amélie™ disse…
Um pai muito mais que presente. Isso é muito legal! Parabéns!
;)
Danny Almeida disse…
Nossa que coisa bacana de se ler..
Acho q vc poderia ensinar muitos pais e de quebra muitos homens..
rs

bjs no core
Danny Almeida
Diene disse…
Há tempo visito este blog que considero muito especial!

Como ainda não sou mãe, vc nos ajuda a perceber como é importante saber escolher melhor quem será o pai de nossos filhos.

Sei que não está escrito na cara de ninguém quem é bacana ou não. Ainda mais quando estamos dentro de uma relação, temos a mania de ver as coisas distorcidas!

Alguns falam que é só prestar atenção em como o cara lida com os seus para perceber como ele será com sua família. Sei lá, isso pode até ajudar, mas precisamos mesmo é usar melhor nossa intuição, nosso sexto sentido, sem deixar que nossas visões, quando estão distorcidas, nos influenciem tanto!

Isso tudo é para falar sobre a intensidade e complexidade desse blog, onde vc Aggeo, escreve com uma sensibilidade incrível!!!

Para as que já são mães, podem tentar fazer com que os pais de seus filhos percebam como é bacana ser pai “sem peso”! E ajudá-los a entender que podem sim usar das benesses “de ser pai solteiro” para ampliar seu modo de vida!!! (Os homens são bobinhos, sempre precisam de um empurrãozinho para ver se eles conseguem sair de seus “supostos” pedestais…).

E para as que ainda não são mães, como eu!

Dentro de tudo que vc tenta passar para a sua filha, o que mais marcou foi saber manter um diálogo saudável com o próximo e não importa qual próximo este seja!!!!

Obrigada querido, é bom saber que ainda existem pais como vc! Como alguém já disse “… Querem ter melhores homens, sejam melhores pais!!!...”

Bj grande,

Diene.
Aggeo Simões disse…
Obrigado a todos. Eu não quero mesmo passar a imagem de melhor que os outros nem de pai perfeito. Só mesmo de mostrar que a experiência que vivo não é nada de assustar. Diene, adorei a frase. Beijos pra vocês.
Laura disse…
Eu adorei seu comentário !!!
Independente da nossa situação: seja homem, mulher, casado, solteiro, separado, viuvo.... enfim, a verdade é que os filhos nos tornam pessoas melhores, alteram nossos valores de vida e isso é lindo !!!!

beijo
Heitor Negreiros disse…
Estou em processo de separação (judicial), pois ja estou separado a um ano...
Muito legal que você e a mãe de sua filha chegaram a um acordo pensando na filha de vocês...
Estou na briga pela guarda compartilhada, tenho certeza que vou conseguir... mas sempre rola a incerteza...
muito legal a sua história.

Heitor
Profissão: mãe disse…
Ageo, já faz um tempinho que tenho acompanhado seu blog, e te confesso que adoro ouvir o ponto de vista masculino com tanta clareza, sou separada do pai do meu filho desde que ele tinha 1 ano e 9 meses( ele faz 7 no sabado agora) e apesar de não compartilharmos a guarda( e eu não concordar com ela...) minha casa e a vida do meu filho é plena da presença do pai dele, todas nossas decisões são feitas num trio: eu, ele e o pai, sempre!Confesso que no cemeço não foi fácil, e ainda hoje não é pois sou casada novamente, com um homem que tb já foi casado e não tem uma relação amigavél com a ex, e por este motivo ele não entende muito bem a cumplicidade que existe entre meu ex marido e eu, por que apesar de ser uma relação absolutamente resolvida, ele é meu sócio no tesouro maior que a vida poderia nos dar: o Enzo.As pessoas não costumam entender nossa proximidade...efim, pra mim o estranho é virar inimigo.
Parabéns, pelo blog, pela clareza, delicadeza, boa vontade, ah pela Luna( lá em casa tenho um shit-zu chamdo Jonny, MUITO parecido com ela) e principalmente pela linda Ava!
Um beijo
Daniela
Como gosto, particularmente, da maneira como os homenes vêem o mundo, foi bem legal ter encontrado esse blog e descobrir a visão masculina sobre um assunto, que erroneamente é tratado como sendo de mulher. Acredito também, que a guarda compartilhada seja o ideal. Para todos: crianças, pais e até para os avós...
Anônimo disse…
Muito verdadeiro e de quebra divertido. Vou indicar a um amigo com receios de ser pai... Deixo muita energia para ti. D.

Postagens mais visitadas